Twitter Facebook

Buscar
 
   
 
 
 

 

 

 

Camara

23/11/2018 - 09:20h

Marcos Deichmann Defende Que o Programa Mais Médicos Tenha Exame de Revalidação

Em pronunciamento na sessão ordinária desta terça-feira, 20 de novembro, o vereador Marcos Deichmann (Patriota) fez apontamentos sobre a saída de Cuba do programa Mais Médicos. A discussão foi iniciada por Gerson Luís Morelli, o Keka (PSB). “É uma forma camuflada de desviar dinheiro do Brasil para Cuba, ” afirmou Deichmann referindo-se ao fato de, como disposição do programa, parte dos salários desses profissionais que aqui atuam ser direcionada ao governo do país de origem.-----   O parlamentar defendeu a aplicação do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida), pelo Ministério da Educação (MEC) àqueles formados fora do país. Até então, o exame não é exigido para os participantes do Mais Médicos. Ele ainda relatou casos de negligência na saúde pública de Brusque, onde um habilitado ao programa teria receitado medicamentos em alta dosagem para crianças. “Temos que ter profissionais qualificados com comprovação, ” afirmou.-----------   “Se o programa fosse pensado da maneira certa e realmente valorizasse o profissional que veio para cá, não retirando 75% do salário para financiar o governo cubano, poderia ter sido muito bom, ” avaliou o parlamentar.----------   SUS Ao rebater o indicador apresentado pelo vereador Sebastião de Lima, o Dr. Lima (PSDB), sobre o número de médicos existentes no país, Deichmann disse: “Se existe cerca de 450 mil no Brasil, o que falta é a valorização destes profissionais na rede pública. ” Ele declarou que, muitas vezes, a recusa em atuarem nas cidades menores e com poucos recursos, não se dá apenas por questões salariais------ . “O problema é que investem tempo e recursos financeiros para se dedicar a uma profissão e, quando chegam numa cidade distante, não há infraestrutura. Quem é o médico que vai querer ficar em um hospital sem material, sem equipamento de raio-X e UTI? ”indagou. Deichmann justificou que o fato da tabela de repasse do Sistema Único de Saúde (SUS) estar defasada, sem reajuste desde 1992, justifica a recusa de grande parte dos médicos em atender pela rede pública, dando preferência ao sistema particular. “O SUS não valoriza os profissionais e não tem infraestrutura suficiente para manter os serviços. O sistema tem que ser revisto, ” concluiu.------*Assessoria

 

 

 

 
 
 
 
 
 

Notícias

Abastecimento

Acidentes

Administração

Alimentos

Anunciantes

Anuncios

Arte

Assitencia Social

Aventura

Bombeiros

Brasil

Camara

Câmara Federal e Senado

Campo

Capacitação

Cidadania

Cidadania

Cidades

Ciência

Clima/tempo

Coisas da Vida

Coluna

Comendas

Comercio

Comportamento

Comportamento

Comunicação

Comunicado

Comunidade

Congresso Nacional

Conhecimento

Consumidor

Corrupção

Crime

Cultura

Curiosidades

Datas

Defesa Civil

Desastres

Desenvolvimento

Destaques

Drogas

Ecologia

Economia

Educação

Eleições 2016

Emergencia

Energia

Ensino

Entidades

Entretenimento

Espaço do Leitor

Esportes

Estradas

Eventos

Família

Fenarreco

Festas

Forças Armadas

Gente

Governo

Habitação

Imprensa

Intercâmbio

Internacional

Investigação

Investimentos

Jogos

Jornal

Judiciário

Justiça

Lava Jato

Lazer

Legislação

Legislativo

Legislativo Guabiruba

Manifestações

Medicina

Meio Ambiente

Melhorias Urbanas

Mensagem

Moções

Mundo

Natal

Natureza em Foco

Obras Publicas

Ocorrencias

Opinião

Parcerias

Partidos

Perigo

Planejamento Urbano

Policia

Política

Previdência

Prisões

Produtos

Profissões

Publicidade

Resgate

Roubo

Saúde

Saúde Públca

Segurança

Sensibilidade

Serviço

Serviços Públicos

Sindicatos

Sinistros

Sociais

Solidariedade

Tecnologia

Tempo

Trabalhista

Trabalho

Transito

Transito

Treinamento

Tributos

Turismo

Utilidade Publica

Vida

Zoobotanico

 
 
Copyright © 2010 - Todos os direitos reservados para Brusque Notícias Desenvolvido por Imoveisdebrusque.com.br